quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Enfim na Ilha


Boas amigos!.
Fazia tempos que o mar e a disponibilidade não me deixavam ir pescar ilhado e desde que começou o verão que não conseguia tentar repetir as boas pescas que fizemos no ano passado por esta altura...



Enfim, fez-se um espacinho em que o mar era bem menos do que o esperado e lá fui mas o Nuno tentar enganar uns Sargos numa pedra ilhada quase nova para mim. A maré também não era a melhor, o que nos obrigou a adoptar uma estratégia diferente para aproveitar a melhor hora para atacar ao Sargo...
Feito isto, ainda era escuro e já estávamos com a prancha dentro de agua a navegar quase de noite para chegar bem rápido a pedra e começar logo ao ataque.


Ao primeiro lançamento deu para ver que os Sargos estavam a xuxar de faca e garfo muito sorrateiros, mas ainda trouxe logo um para cima, e ao segundo lançamento, sem nada o prever sinto uma xuxa diferente mais suave na chumbica e um afundanço que identificou rapidamente a presença de uma safata jeitosa na outra extremidade da linha...



A partir daí foram saindo uns Sargos até enchermos a ceira, e em 3 horas a ceira estava cheia e já íamos de abalada para o café comer uma bifana e uma cervejola. 
A ver se vem condições e disponibilidade para voltarmos lá e não falharemos!

Saudinha da boa a todos!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Plano B

Boas pessoal,

Desta vez, aproveitamos a vinda de férias do amigo Francisco Belo para o Algarve passar férias, e como o mar talvez fosse de feição para pescar ilhado arriscamos numa pedra conhecida na esperança de capturar alguns peixes apenas para a malta se divertir.


Abalei de Faro mais o Nuno para irmos de encontro ao Francisco e ao Marafade em Portimão ha hora marcada e abalamos para o pesqueiro. Depois de rogar uma mãcheia de pragas ao site das previsões de mar, decidimos descer com o mar bem rijo para pelo menos lançar umas amostras e tentar sacar uns percebes pro petisco.


Sem grande sucesso arrumamos a trouxa e sem perder muito tempo decidimos rumar a outra pedra ali perto que conseguisse aguentar aquele mar com 4 marafados lá em cima. Em boa hora o fizemos, pois sempre deu para todos tirarmos alguns peixes e passar um bom momento de amizade, convívio e descontracção em cima da ilha.

domingo, 25 de junho de 2017

Petisco de Verão

Boas pessoal!

Ha já algum tempo que andava a fazer uns mergulhos chibateiros, e para não variar este quase que era mais um, não fosse ter encontrado um bom petisco já quase na hora de vir embora.

Um dia quentinho onde o mar deu tréguas e lá fui de malas aviadas a caminho do pesqueiro desta vez sem companhia. A chegar ao local o vento que diziam ser nenhum, mais parecia um ciclone, mas como dias antes tinha lá ido estudar as coisas de maneira a que o vento do quadrante Sul / Sueste não afectasse o local para onde ia, tudo correu como eu esperava!


 Mar razo, maré cheia e agua lusa, com alguns 500 metros de visibilidade fizeram com que os sargos andassem escondidos, mas os polvos a descoberto... Não trouxe mais três polvos porque um deles só tinha 3 tentáculos e já muito curtos e porque nunca ando com bixeiro na bóia!

 

Feitas 3 horinhas de mar a conhecer os fundos daquele pesqueiro onde ainda só tinha pescado ilhado, depois de se andar lá por baixo é que se consegue perceber muita coisa do que se passa quando estamos lá em cima.

Foi assim mais uma boa experiência com resultado sempre positivo!
Saudinha da boa a todos!

terça-feira, 16 de maio de 2017

Tetra ilhada!

Olá pessoal!

A tetra ilhada foi efetuada ainda de ressaca no dia seguinte a conquista do tetra... Arranquei o Nuno da cama senão ele nem à pesca iria neste dia, tal foi a dureza dos festejos na noite anterior ehe 
 Acordamos com a cabeça ainda a 200 mas bebemos um chazinho e lá fomos a caminho, o mar era rijo mas iria dar uma aberta para tentarmos ali num bocadinho apanhar uns tetra pexes para o almoço com as marias.

Mar rijo e agua completamente aberta ditavam que os maiores andariam escondidos por outras bandas ou completamente entocados, foram saindo uns peixes muito lentamente e lá dei com uma tetra bica bem bonita!

Tetra Bica

Acabado o isco e saímos da pedra bem rápido porque o mar já era mesmo muito e ainda queríamos ir ao café limpar a ressaca com uma cervejinha, antes de rumarmos a Portimão para almoçar e descansar o esqueleto... 

Tetra Sargos

 Saudinha da boa a todos Rumo ao 37

quarta-feira, 3 de maio de 2017

O recruta!

Boas pessoal,

Numa ilhada combinada com bastante antecedência, o marafade Caçorino desistiu em cima da hora pois a vida profissional as vezes não nos permite andar sempre nestas peripécias exigentes fisicamente. Mas neste dia eu já levava um novo recruta, o Nuno que já tem pescado comigo embarcado, já me dizia as vezes que tinha curiosidade de ver esses "sitios onde vocês fazem essas pescas ilhadas bue perigosas". Então desta vez teve um tempinho e veio comigo dar ao cabedal a ver se apanhávamos uns sargos.

 
Como ele não se sente muito à vontade com estes "perigos" e locais de mais complicado acesso, tive de escolher uma pedra bem diferente daquelas onde costumamos andar, pois para ele, não pode haver cordas/cabos, nem se pode remar muito, nem pode haver muita rebentação e correntes!!

Então bora lá, entrada nas calmas e toca a ajeitar-se em cima da prancha para remar até a pedra escolhida. O peixe era miúdo naquela zona, então naquela altura decidi pausar a pesca e ir apanhar o petisco enquanto ele andava entretido a conhecer esta pesca à chumbica. Mas como este é o campeão das estreias, eis que volta a ferrar uma dourada, mais uma de kilo! Onde quer que o levo a pesca ele saca douradas de kilo ahahaa


Ferramos ali mais uns sargos para compor a geleira e depois de quase dia inteiro de pesca lá voltamos a remar para terra de modo a ir beber uma fresquinha a casa do marafade em Portimão!


Uma boa pascoa a todos os leitores!
Um abraço

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Com que então sueste??

Boas Pessoal!

Uma ilhada feita entre marafados para pescar e marafados para dormir na carrinha, as previsões apontavam para um enorme vento de sueste por isso escolhemos a pedra na tentativa de sobreviver ao forte vento que se iria sentir quando chegasse a meio da manha...


  
 Descemos ainda sem sol para o pesqueiro a ver se em cima da pedra safávamos algum marisco mas ao que parece, as condições saíram todas ao contrário menos a força do vento. O mar era bem rijo e com muita corrente, e o vento era uma nortada de fazer esquecer qualquer hipótese de sueste!



Ainda tentámos com as amostras ver se por lá andava algum peixe comprido mas estes não quiseram saber de nós durante este dia. Na guerra com o Sargo, o peixe tinha boa bitola e andou por lá em breves momentos em que conseguíamos aproveitar as xanadas para rebocar alguns cá para fora. 



Entretanto com um sargo ferrado de baixo das pedras, ao tentar reboca-lo e ao mesmo tempo a fugir pedra acima de uma vaga que iria lavrar a pedra, parti a cana e a pesca praticamente deu-se por terminada para mim.
Pouco depois, com o vento insuportável e a boca cheia de salitre fomos para o café derrubar umas bjecas com a bifana da praxe!

Saúde da boa a todos!